Archive for setembro \30\UTC 2009|Monthly archive page

Um livro auspicioso: “Economia do Indivíduo”

Por Ubiratan Iorio

No próximo dia 1º de outubro o economista Rodrigo Constantino irá lançar seu novo livro, “Economia do Indivíduo – O Legado da Escola Austríaca”, editado pelo Instituto Ludwig von Mises Brasil. O evento acontecerá na Livraria DiVersos, na Av. Érico Veríssimo, 854, loja A, na Barra da Tijuca, às 19 horas.

Tratando-se de obra sobre a Escola Austríaca de Economia é muito bem vinda! Na realidade, é apenas o terceiro livro editado em nosso país sobre a escola de Economia que teve em Mises e Hayek os seus maiores expoentes: o primeiro foi “Economia e Liberdade: a Escola Austríaca e a Economia Brasileira”, de minha autoria, editado em 1995 pelo Instituto Liberal de São Paulo com uma segunda edição em 1997, da Forense Universitária e o segundo foi “Economia e Filosofia na Escola Austríaca”, de Ricardo Feijó, editado em 2000 pela Nobel.

“Economia do Indivíduo” vem agora juntar-se aos dois primeiros, o que representa um evento bastante auspicioso em um país dominado por livros de Economia com viés keynesiano (quando não marxista).

Nas palavras do próprio Constantino, um jovem e combativo economista, verdadeiro idealista da causa da liberdade dos cidadãos: “Um dos aspectos mais importantes do conceito de atividade empresarial de Kirzner é que o empresário é visto não apenas como a mola propulsora de uma economia de mercado, mas principalmente como um produto exclusivo da economia de mercado. Em outras palavras, só podem existir empresários, no conceito utilizado pela Escola Austríaca, onde houver economia de mercado, uma vez que o processo de descoberta que caracteriza os mercados livres, em que os empresários são obrigados a manter-se em permanente estado de alerta para que possam saber que necessidades específicas os consumidores desejam ver atendidas, não pode ser substituído pelo planejamento, por computadores, por “câmaras setoriais” ou por “soluções” políticas.”

Recomendo a todos a leitura do novo livro, porque considero a falta de conhecimento sobre a metodologia e a visão de mundo dos “austríacos” um dos maiores problemas na formação dos economistas, não só no Brasil, como de resto na maioria dos países.

Não posso deixar de encorajar o Rodrigo e outros jovens economistas a continuarem a escrever sobre a Escola Austríaca e também não posso deixar de lembrar-me das enormes dificuldades que encontrei quando resolvi publicar o meu livro sobre o tema, incentivado pelos saudosos Donald Stewart, Og Leme e Roberto Campos, que chegou a prefaciar a segunda edição. Com o novo livro de Constantino, sinto uma sensação muito agradável, a de saber que, embora sendo minoria, não estamos sós no bom combate em defesa da liberdade e que há jovens talentosos conosco.

Por isso, estimulo todos a comparecerem ao lançamento e a lerem o livro (www.mises.org.br). O Brasil – cujo governo vem paulatinamente restringindo a liberdade de escolha dos cidadãos, coletivizando e massificando a maneira de pensar e até de falar e escrever, apoiando organizações que teimam em afrontar os direitos de propriedade, como o MST –, o Brasil com que sonhamos, sem dúvida, agradecerá.

Anúncios

Revista Espiral: estudos sobre estado e sociedade

O Centro Universitário de Ciências Sociais e Humanidades da Universidade de Guadalajara edita e disponibiliza na internet o conteúdo da Revista Espiral. Trata-se de uma revista de periodicidade quadrimestral de investigação científica com artigos sobre teoria do estado e ciência política.

Leia aqui os textos completos da revista.

espiral-45

[Publicado pelo Editor]

Entrevista Axel Honneth

honnethAxel Honneth, herdeiro da Escola de Frankfurt, afirma em entrevista para Folha de São Paulo, que um dos problemas para a superação da crise socioeconômica na Europa é a ausência de ideias novas na política. Diretor do Instituto de Pesquisa Social, Honneth se refere ainda à ineficiência econômica da social-democracia e à resistência dos liberais em limitar o mercado. O autor de “Luta por Reconhecimento” (Editora 34) defende que uma teoria crítica renovada deve ter um papel importante em repensar o capitalismo visando à emancipação dos indivíduos.

Trechos:

FOLHA – O sr. chega ao Brasil no momento em que acontecem eleições gerais na Alemanha. Apesar da profunda crise econômica, a atual primeira-ministra, Angela Merkel, é a favorita e os debates eleitorais estão em baixa temperatura. Como entender isso? Estaria ligado a um processo mais geral de perda de vitalidade das democracias?

AXEL HONNETH – Vocês têm razão quando afirmam que, apesar dos crescentes problemas sociais, o interesse público nas próximas eleições continua muito pequeno, mesmo com toda a tentativa de se chamar a atenção com a encenação midiática.

Uma explicação que me parece apenas superficial dessa atitude diz respeito à “grande coalizão”, nesse período de governo que está chegando ao fim, entre democratas cristãos e social-democratas, a qual dificultava entrever alternativas programáticas entre ambos os partidos. Parece-me mais decisivo, no entanto, o fato de, em amplos círculos da esfera pública política, imperar uma certa perplexidade sobre os instrumentos apropriados para a superação da crise social.

Todos os caminhos parecem estar de algum modo obstruídos. O recurso às velhas receitas de sucesso da social-democracia se tornou impossível, pois o aumento dos programas sociais tem por consequência o crescimento do desemprego.

Desconfia-se das promessas dos partidos da “esquerda” porque pretendem realizar a justiça social desconsiderando o processo de unificação europeu. Em suma, não temos mais um conhecimento imediato do problema e concordamos apenas que temos de impor fortes limites ao mercado capitalista. Porém, com exceção dos liberais, todos os partidos concordam em relação a isso, a despeito das poucas polarizações e da falta de interesse.

FOLHA – Em tempos recentes, o termo “reconhecimento” adquiriu um papel importante na esfera pública e na vida cotidiana. Mas muitas vezes é empregado em sentidos bem pouco críticos, como quando pessoas se dizem reconhecidas simplesmente por terem mais dinheiro, mais poder ou mais prestígio do que outras. Como a ideia crítica de reconhecimento que o sr. propõe se distingue desse tipo de situação? Há casos de “falso” reconhecimento?

HONNETH – É claro que existem essas formas de “falso” reconhecimento. E elas inclusive aumentam nas sociedades capitalistas liberais do Ocidente porque seguem o programa neoliberal, que, ao apelar positivamente para sua flexibilidade e mobilidade, leva as pessoas a aceitarem relações desregulamentadas de trabalho.

Também a história nos mostrou casos de uso “ideológico” da retórica do reconhecimento. Pensem nas imagens culturalmente difundidas da “boa dona de casa” ou do “bravo guerreiro”, todas gestos públicos de reconhecimento que preenchem essencialmente a função de motivar as pessoas a consentir com posições de subordinação.

Contudo, é difícil determinar o limite exato entre formas “falsas” ou “corretas” de reconhecimento. Eu diria resumidamente que todas as formas de reconhecimento que são adequadas e promovem a emancipação são aquelas que, com base em princípios já aceitos de reconhecimento, possibilitam ampliar social e substancialmente sua aplicação.

Para falar mais concretamente: lá onde até então as qualidades desrespeitadas de uma pessoa ou grupo depararam socialmente pela primeira vez com reações afirmativas, lá onde grupos até agora excluídos foram providos de direitos que uma maioria já dispunha, em todos esses casos se trata de uma expansão de relações de reconhecimento que promovem a emancipação.

FOLHA – O sr. sempre formulou sua teoria do reconhecimento tendo como referência a teoria crítica, de nomes como Horkheimer, Adorno, Marcuse e Habermas. Em um texto de 1982, o sr. escreveu: “Embora frequentemente declarada morta, a teoria crítica demonstra uma espantosa capacidade de sobrevivência”. Em 2007, o sr. inicia seu inventário da teoria crítica com palavras que parecem ir na direção contrária: “Na mudança para o novo século, a teoria crítica parece ter se tornado uma figura de pensamento do passado”. O que aconteceu nos últimos 25 anos para que sua avaliação tenha mudado tão drasticamente?

HONNETH – Tenho a impressão de que não existe em absoluto uma oposição entre essas duas passagens citadas por vocês. Na última citação eu pretendi mostrar, sobretudo, que as figuras de pensamento da primeira geração da teoria crítica, com a fusão de Hegel, Marx e Freud, hoje certamente envelheceram do ponto de vista teórico. Não podemos agir como se esse instrumental conceitual ainda pudesse ser utilizado atualmente sem qualquer modificação.
Por outro lado, porém, procurei mostrar na primeira citação que o interesse pela teoria crítica nunca foi abandonado, pois com tal postura crítica ainda vinculamos a esperança de uma análise dos males sociais a uma perspectiva emancipatória. Considerando juntamente as duas citações, podemos chegar à ideia de manter as fortes pretensões da velha teoria com meios teóricos modificados.

FOLHA – Recentemente, o sr. criticou a escassez de investigações críticas em torno de “um conceito emancipatório, humano de trabalho”. E enfatizou que “uma parte crescente da população luta tão somente para ter acesso a alguma chance de uma ocupação capaz de assegurar a subsistência; outra parte executa atividades em condições precariamente protegidas e altamente desregulamentadas; uma terceira parte, por fim, experimenta no momento a rápida desprofissionalização e a terceirização de seus postos de trabalho, que anteriormente ainda tinham um status assegurado”. O sr. vê contratendências a esses movimentos destrutivos? Ou um “trabalho dotado qualitativamente de sentido”, como o sr. defende, é hoje apenas um ideal?

HONNETH – Essa é uma pergunta muito complexa, que pode ser respondida empiricamente ou a partir de uma teoria social. Se nos detemos nas investigações empíricas, então se nota que o desejo de uma melhora nas condições de trabalho nunca foi abandonado pelos próprios empregados. Esse interesse, embora seja negativamente perceptível na forma de recusas de trabalho e de manifestações de insatisfação, estende-se não apenas à garantia de um salário capaz de assegurar a subsistência, mas a uma melhora qualitativa da situação de trabalho, ou seja, à criação de atividades suficientemente complexas e que não causam danos psíquicos ou físicos.

Sob o ponto de vista da teoria social, creio poder mostrar que a aprovação de tais formas de trabalho “dotadas de sentido” está estruturada nos próprios princípios normativos do mercado capitalista: este promete aos empregados desde o início não apenas um salário adequado à manutenção da própria vida, mas também uma participação na reprodução social que seja abrangente e condizente com a divisão do trabalho.

FOLHA – Desde a publicação no Brasil de seu livro “Luta por Reconhecimento”, em 2003, a recepção de seu trabalho tem passado em grande medida pela polêmica que o sr. travou com a teórica crítica norte-americana Nancy Fraser, que criticou sua posição dizendo que uma centralidade do conceito de reconhecimento acabaria por relegar a segundo plano as lutas por redistribuições materiais da riqueza. Que balanço o sr. faz dessa polêmica hoje?

HONNETH – Eu receio que as objeções de Nancy Fraser nunca modificaram realmente o meu modo de pensar. Além disso, estou convencido de que os conflitos por redistribuição representem formas implícitas de luta por reconhecimento porque, na demanda por uma maior participação no total da riqueza social, visam ao reconhecimento de um benefício que até então não foi adequadamente honrado nem tornado digno -quem insiste em aprofundar o vão entre os dois tipos de conflito social perde de vista a dimensão moral de todas as lutas por distribuição.

[Publicado pelo Editor]

Museu Nacional do Iraque ganhou versão digital

O acervo do Museu Nacional do Iraque, que conta 6 mil anos de história das civilizações mesopotâmicas, ganhou uma versão digital e em três dimensões. O museu virtual é fruto da cooperação técnica com pesquisadores italianos, custou 3 milhões de euros e oferece opções de pesquisa em árabe, inglês e italiano. Construída em 1926, em Bagdá, a instituição foi reaberta em fevereiro deste ano, depois de sofrer saques durante a invasão americana de 2003.

O site está dividido em oito salas, correspondentes às fases históricas da Mesopotâmia: pré-história, período sumério, acádio-neossumérico, babilônico, assírio, aquemênidaselêucida, parto-sassânida e islâmico. É ilustrado com mapas interativos, vídeos e reconstruções das obras, feitas por scanners tridimensionais.

Conheça o Museu aqui.

museu iraque

[Publicado pelo Editor com informações de “História Viva”]

Encontrada nova cópia da carta de fundação dos EUA

A declaração de Independência dos Estados Unidos só tem 26 cópias conhecidas no mundo, e uma acaba de ser encontrada, por acaso, nos Arquivos Nacionais britânicos. Estava escondida no meio da correspondência de colonizadores americanos interceptada pela Inglaterra no século XVIII.

Impressa em 4 de julho de 1776, a declaração, conhecida como Dunlap, ganhou esse nome graças a seu impressor, que gravou seu nome no alto das cópias. Uma delas, encontrada em 1989 em um mercado de pulgas, acabou sendo leiloada por mais de US$ 8 milhões.

carta decla EUA

[Publicado pelo Editor com informações de “História Viva”]